14
Mai 04
Ouro Preto, Zinco de Agosto de 1995.





Querida Valência:

Sinto que Estrôncio perdidamente apaixonado por ti. Ao deitar-me, quando Descálcio meus sapatos, Mercúrio no Silício da noite, reflicto e vejo me que sinto Sódio. Então, desesperadamente Crómio. Sem ti, Valência, a minha vida é um Inferro. Ao pensar que tudo começou com um Arsénio de mão, Cloro de vergonha. Sabismuto que te amo, embora não o digas, sei que gostas de um tal Hélio e também do Hidroeugenio. De Antimónio, posso assegurar-lhe que não sou nenhum Érbio e que Habário para viver. Oxigénio cruel tu tens. Valência! Não Permetais que eu Cometais algo Errádio. Por que me fazer sofrer tanto assim, sabendo que tu és a luz que me Alumínio ? Meu caso é Cério, mas não Ácido razão para um Escândio social. Eu soube que a Platina contou que te Embrómio com esse Namouro. Manganês, deixa-te disso e não acredita Niquela disser, pois sabes que nunca agi de modo Estanho contigo. Aliás se não tiveres arranjado outro Angoniomento, procura um Advogadouro e me Metais na cadeia. Lembra-te porem que não me Sais do pensamento.



Abrácidos comovidros deste que muito te ama,


Magnésio
publicado por sorraia.blog às 14:46

Maio 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13

22

28

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Município de Coruche
cch.bmp
Museu Municipal de Coruche
logo_museu1.jpg
Município de Benavente
benavente.jpg
Farmácias de Serviço
farmacias.gif
pesquisar
 
blogs SAPO